5 de agosto de 2019

Novos zines na praça!!! - Caderninho Verde e Pequenos fragmentos


Em tempos de crise necessitamos de duas coisas: dinheiro e arte.

Sobre a primeira coisa, bom, a coisa é mais paradoxal; no momento, sugiro, ou, que gastem tudo o que possuem e tentem uma vida sem dinheiro, ou, que dobrem as apostas na lotofácil... esses dois caminhos são difíceis, mas devem ter suas recompensas. Por hora, tenho tentado trabalhar como estudante de filosofia, ler e pensar, repensar e escrever...

Sobre a segunda coisa, vou continuando rabiscando e publicando nessas redes sociais que têm por aí... praticando novos instrumentos, criando pequenos trabalhos junto de grandes parceirxs e amigxs. Praticando também oficinas por aí e a lida de todos os dias de brincar com a arte em um mundo cheio de estranhamentos. E me pergunto novamente, para quê a arte? e vou rabiscando... (recomendo pra todxs vocês! Façam arte.)

Fazia tempo que eu não fazia uma zine... dei um tempo nos quadrinhos para me dedicar aos estudos sobre a possibilidade da existência em mundo tão louco como este, e tenho quadrinhado apenas quando acho importante por em ação esse “fazer” que aprendi com o tempo ... convido a lerem: a cartilha contra a reforma da previdência (clique AQUI) e a cartilha contra a reforma trabalhista (clique AQUI); feitas por inúmeras mãos, cabeças e corpos e vontade de resistir, que tive o prazer de participar.

Neste inverno resolvi por em prática a feitura de dois zines muito especiais para mim.



Em pequenos fragmentos, temos uma seleção enviada por carta dos últimos escritos do poeta recluso anti-internet Said Leoni. São quatro contos distribuídos em 16 páginas, que tive a oportunidade de editar, incluindo capa e algumas ilustrações coloridas que gosto muito.

Em Caderninho verde ou apenas retratos imaginários tento reproduzir na medida do possível, meu último caderninho companheiro de caminhadas, carinhosamente apelidado de caderninho verde, que me acompanhou de janeiro a julho deste ano. Nele, encontramos 36 retratos imaginários.


Mas a prática das zines envolve o papel, o material... aquilo que está para além do simplesmente virtual e da tela. Aí queria conversar com vocês...

Elaborei a impressão dessas zines com um investimento na qualidade, mesmo que com um acréscimo de dinheiro investido relativamente maior comparado às minhas zines anteriores, que em dez anos (2009-2019) não tiveram seu valor de 2 reais alterados, desviando de qualquer inflação possível... para horror dos economistas e empreendedores... (quem não conhece, vejam as zines de forma gratuita AQUI)

E as coisas ficaram assim:

Pequenos fragmentos - Formato: A5, capa em papel verge 120gr. colorida, miolo com 16 páginas. – preço de custo por unidade: R$ 4,50.
Caderninho verde - Formato: Bolso (14,5 x 10 cm), capa em papel verge 120gr, miolo em papel reciclado com 36 páginas. – preço de custo por unidade: R$ 4,30.

Para conseguir circular as zines, estou fazendo uma pré-venda por aqui, quem se interessar, entre em contato! Pensei em três formas de auxilio monetário:

1) Preço camarada: para quem está sem grana, quer as zines mas as coisas estão difíceis, pensei em um valor mais de boa, cobre os custos e dá para investir em outras impressões; cada zine por 10 reais + envio.

2) Preço Justo: é a medida justa, aquele valor harmônico tal qual na Grécia clássica, feito para quem está com uma graninha sobrando e quer investir em mentes criativas; um jeito de se sentir satisfeito e recompensar esse que vos escreve com aquela cachacinha extra, ou um maço de cigarros, uma marmita, um cineminha... essas coisas sabe... o “preço justo” para cada zine é 15 reais + envio.

3) O sonho do Mecenato: esse é para quem não sabe mais como investir seu dinheiro e não se importa em gastá-lo qualquer coisa que aparece na polishop; saiba que você é um privilegiadx e o século XVII pode voltar se você quiser! Invista 50 reais ou mais nessas zines... Aí quem vos escreve poderá viajar por terras desconhecidas para representar os sonhos e delírios dessa humanidade besta, e você poderá dormir tranquilamente no conforto do seu lar sabendo que sim, você ajudou em alguma coisa que nem imagina o que é! Nem eu...

4) Para quem for fanzineirx e tiver uns materiais e queira trocar, vamos conversar... pretendo utilizar a grana da opção 1 para fazer umas cópias com o intuito de trocar materiais e ver como anda a vida em outros cantos desse Brasil doido...

Bom, é isso... se você aguentou chegar até aqui nesta postagem, parabéns! São poucas as pessoas que não se dispersam depois dos 150 caracteres! Se você ainda não está muito ansiosx para mudar de página, ver o instagram, ou a possibilidade de um status novo no whatts... acredito que não aconteceu nada de muito importante no mundo nesses minutos que você estava aqui.

Talvez, então, você queira ouvir a música que segue, da Aíla, que acho muito boa para esquentar o coração nos tempos difíceis, e no fundo, coloca bem melhor em palavras aquilo que gostaria de ter dito no começo mas me perdi...



Ahhh, se você ainda continua aqui... e gostou do papo mole... pode voltar lá pro instagram viu... não vou mais te segurar... dá uma passadinha em https://www.instagram.com/batatasemumbigo/

Há braços e pernas!

3 comentários:

  1. Amor, quem quiser o sonho do mecenato não sabe como torná-lo realidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oua Nadia... me manda um e-mail que eu passo os dados... preciso de seu endereço e essas coisas para enviar os zines...

      Excluir
  2. Você e o joão não são bons para tornar o sonho do mecenato realidade. Tem coisa do tipo "clica aqui, escreve seu endereço e a gente envia boleto ou conta para depósito"... E cadê ?

    ResponderExcluir